domingo, 27 de setembro de 2015

Sobre necessidades necessárias



Acho que todos nós, uma ou várias vezes na vida sentimos, de uma hora pra outra às vezes, uma necessidade grande de fazer alguma coisa por nós mesmos. Geralmente pensamos mais em tentar fazer algo pelos outros sem pensar que quem precisa de verdade da gente somos nós mesmos, entende? Nessa necessidade de se sentir útil na vida dos outros, sentir uma utilidade no mundo e para o mundo não pensamos que devemos fazer alguma coisa por nós. Às vezes nos esforçamos demais para "dar o mundo" para o outro, para o ser ou seres amados por amor, por afeto, por interesse, seja lá por qual motivo. A gente só percebe que precisa de ajuda quando já é um pouco tarde e nem sempre o outro pode fazer algo pela gente. Nem sempre conversar, desabafar, ficar um tempo junto é o suficiente. E sabe por que? Porque só você pode se ajudar! Como? Lembra quantas vezes você se sentiu frustrada porque aquela pessoa, que precisa de ajuda, não quis "se ajudar" ou não aproveitou sua "boa vontade" em ajudá-la? É o mesmo principio, só que com você, percebe? Todos estamos cheios de problemas, crises financeira, crise emocional, vazios existenciais, muitos estão cheios de tristeza no coração, de caos dentro de si e fingem, fingem que estão bem, e mal param para se enxergar ou não querem mesmo parar para enxergar todo o caos que guardam por dentro. Não adianta fugir do que temos dentro, ok? Pare de fingir, porque a dor ela não vai embora, apenas fica camuflada. 

Aprendi que a gente precisa se deixar vivenciar o luto, seja luto de sentimento, de pessoa, de morte, de vida... precisamos porque a dor ensina, apesar de ferir muito. Ainda estou muito ferida, por tudo que aconteceu, por todas as pedras em que pisei, pedras que joguei...ainda dói. Mas todos seguem suas vidas e eu preciso seguir.  É por isso também que estou escrevendo hoje. Estou escrevendo porque senti necessidade não apenas de escrever, mas de escrever para curar (como sempre, como eu sempre faço), mas de um jeito diferente.  Muitas coisas devem acontecer nos próximos meses, muitas coisas que possivelmente mudarão minha vida para o resto da vida. Se bem que todo dia é dia de mudança pro resto de nossas vidas, da mesma forma como todo dia é dia de começo, é por isso que o sol vem. 

Eu preciso dessas mudanças, preciso me deixar sentir tudo o que tenho sentido, preciso aprender muito com tudo o que sinto demais, com o que sinto de menos, preciso. Eu quero voltar a ser eu mesma antes de tudo isso, mas uma eu mesma diferente, uma eu mesma hoje. 

Esses dias voltei a ouvir música todos os dias e agora sinto necessidade disso todos os dias. Voltei a ouvir algumas das músicas que eu mais ouvia em fases aleatórias da minha vida e senti falta não dos momentos, mas de mim, de como eu era comigo mesma. A música desperta essa sensação de nostalgia de si, e senti um carinho e uma saudade de mim e de fazer algo por mim. Eu finalmente senti um afeto por mim mesma e uma necessidade grande de me ajudar. Ansiedade, depressão, angústia...não quero que eu sinta mais isso, não quero sentir com frequencia mais. Eu mereço mais, eu mereço todo esse afeto e amor que eu tenho dentro de mim voltados para mim também. Sabe quando você tem tanto amor dentro que precisa distribuir? Só que nem todo mundo aceita amor, o que é uma pena. Só que eu vivo de amor, preciso de amor, respiro amor e preciso do meu amor!

É por isso que pensei que preciso criar hábitos bons antes que tudo mude de vez! Preciso limpar a casa, eu mesma, antes de entrar toda a carga de móveis novos, de sentimentos, experiências, sensações. Eu quero viver tudo que tenho direito de viver, eu preciso dessa felicidade, felicidade de gostar de mim e de me querer por perto, não quero mais fugir de mim. Descobri que me encontro toda vez que ouço música e que escrevo. Preciso ser mais leve, preciso escrever e seguir o fluxo que me vem como agora, escrever até por escrever, não importa, o que importa é se derramar.

Uma vez, nunca esqueço disso, recebi um email de alguém que disse que meu blog ajudou essa pessoa a superar uma fase muito difícil da vida dela. Então se escrevo e você que me mandou esse email continua me lendo, você também mudou minha vida, porque se eu ainda penso nesse blog como uma terapia para mim, você também tem sua parcela de responsabilidade!!! E eu agradeço, porque é mais uma força para que eu volte sempre! Então, voltando a ideia dos hábitos bons...

Precisamos sim ajudar a nós mesmos, o que não significa ter pena, ou se privar de algo, mas apenas olhar para dentro. Para algumas pessoas, olhar para dentro é ficar em silêncio, olhar no espelho...para mim é isso: me derramar através da minha escrita e ouvir música. Minha forma de terapia, meu remédio, meu rivotril. E outra coisa, começar a se aceitar, começar a pensar que você não precisa ter vergonha de ser você é um passo bem grande também  Não tenho do que me envergonhar. Preciso lembrar disso.  Preciso lembrar que eu não preciso agradar ninguém, só preciso ser eu mesma, uma pessoa que sabe respeitar o outro. Ser você mesma não significa ofender os outros, embora muitas pessoas se ofendam. Eu não me importo mais. O que verdadeiramente me importa agora é curtir esse momento e juntar muita energia boa e esperança, porque as coisas só dão certo quando a gente prepara o terreno para o bem. 

Bjs e muita energia boa pra todxs!  Pense nisso: se ajude!