terça-feira, 7 de julho de 2015

Sobre um poço no meio do caminho

desgosto profundo:
eu chego no fundo do poço
e não é nunca o fundo.

(Fabricio Garcia)

Não sei quem é Fabricio Garcia e não sei nada sobre sua vida ou seus problemas ou seus (des)amores. Tampouco sei se ele falava de si mesmo quando lembrou de desgostos e poços e vida. Não sei...o que sei e o que sinto é que ele tem toda razão quando diz que "não é nunca o fundo". Todos nós chegamos ao "fundo do poço" pelo menos uma vez na vida, ou não? Atire a primeira pedra quem nunca! Fico pensando como deve ser o fundo do poço de Fabricio, que cor teria, que cheiro teria, seria repleto de micro vidas ou totalmente vazio? Não sei...na verdade sei de pouca coisa. Tenho tentado me saber, isso é verdade. Também tenho tentado não me entender pra não ver a entrada do poço de novo. Um poço sempre estará no meio do caminho, sabia? Pois saiba. É isso que é viver. Sei também que existem pessoas que nos estendem a mão quando estamos lá dentro (do poço) sem esperar nada de nós, apenas que possamos levantar e compartilhar o momento, mesmo que seja por um momento só. Tento como Fabrico (nem sei de você, Fabricio) falar de mim sem que pareça que falo de mim, como se eu estivesse falando pro mundo do mundo. Não sei se funciona, porque eu acho que tudo que escrevemos é fatalmente sobre nós mesmos, mesmo que falemos do poço. Somos um poço? Não sei...mas amigos, amigos são seres mágicos.