sábado, 29 de dezembro de 2012

O amor dói

Hoje eu queria escrever sobre o amor. Mas não falar do amor embelezado de purpurina que todo mundo escreve. Eu queria dizer que o amor é uma dor diária, uma dor daquelas que vem do fundo das entranhas, uma dor de desesperar. Momentos de desespero por amar que deixam a cabeça prestes à entrar em ebulição, prestes a explodir de tanta dor de amor. Desespero por entender que somos uma ilha, cada dia isso se torna mais certo e eu sei que para onde eu correr, vou me deparar com essa dor, ficando ou indo, não dá pra fugir disso. Não há para onde ir, não há mão alguma para segurar. Não há esperanças. Não sinto. Não tenho vontade de sorrir hoje.