segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Sozinha, eu vivo meu inferno

O amor machuca o amor. Há amores que não tem razão de ser, mas é preciso razão de ser no amor? E quando a gente se confunde com tudo o que sente, e quando sente muito por muito pouco, e quando não sente pouco. Não sinto pouco...quisera eu sentir. Não queria amar tanto, ou queria... porque eu sei que há pessoas que não amam tanto, e eu tenho tanto medo de não saber amar. Tenho tanto medo de amar demais, de amar demais... amar me faz perder a cabeça demais. Me perco demais nesse amor, nesses amores. Por que eu? Por que não amar como a maioria ama? Por que amar assim? Por que pensar tanto nisso? Por que não amar, apenas, e dane-se o resto? Por que amar? Por que querer tanto ser amada por quem se ama? Por que pensar que não é amada por quem ama? Por que pensar que meu amor é rejeitado? Por que dói? Por que dói? Era pra ser bonito! Era pra ser colorido! Era pra ser...era...e é. E não é. E não sou amada. E não sou amada. Mas amo. Eu amo! Queria amar assim?