terça-feira, 20 de agosto de 2013

Amando

Madrugada alta, quase manhã. Termino de assistir um filme sobre poliamor e paro pra pensar na loucura que é amar. Lembro que hoje estou amando mais do que ontem, mais do que nunca, e me orgulho de amar assim, amar de um jeito iluminado. Amor luminoso, daquele que você sente o amor dentro de si e sente que ele irradia de dentro de você, sente que ele sai pelos olhos, e não em formato de lágrimas, mas de energia. O amor é uma energia boa que irradia pelo corpo todo, pela corrente sanguínea, que sai na pele, que fica pendurado nos pelos do corpo todo, fica pendurado nos cílios. Dá pra sentir o amor na saliva que umedece os lábios, na batida do coração, na respiração que faz o peito arfar levinho. Hoje eu sou toda amor, e não importa os males do mundo, as doenças da alma, do corpo, nada disso importa, só o quanto eu sou capaz de amar.