domingo, 22 de maio de 2011

Mundo colorido e o discurso que se foi

Tudo me parece passível de ser traduzido. Ah, eu minto. Não é tudo não, meu bem, não é tudo. Mas tudo é passível de te fazer desconfiar, se perder no discurso. Provo pra você por A+B+Z que eu te deixo de boca aberta, porque eu sei que a cor do azul não é azul, porque o azul é outra cor. Aliás, são outras cores tímidas que resolveram se misturar. Tudojuntoemisturado. Acho lindo isso demais, mas às vezes me confundo também. Eu achava que o preto era preto de tanto eu olhar. Mas é toda cor junta. E pensei que o branco era branco porque as cores haviam se escondido. Tímidas elas, todas elas. E pensei mais ainda, na minha ânsia de entender o que não tinha pra entender. Ou não. Mas eu pensei de novo: o vermelho era vermelho por pura raiva, ou paixão, ou seria amor? E o roxo? Achei que fosse pavor, mas era luxúria! Era sim, eu vi! E vi, e revi tanto que me convenci. O rosa, esse sim, é paixão! Mas aí são outros quinhentos mil e quinhentos! Eu só sei que gosto de colorido, e de colorir.


E tudo me saiu de um impulso,
de uma viagem, 
de ideias soltas e livres,
porque no final das contas...


Egosto de colorir.


c Marcelle Silva b