segunda-feira, 9 de maio de 2011

A Morte me acordou hoje pela manhã

Era 7:20 da manhã. E a notícia. eu estava dormindo e talvez sonhando com algo bom. Minha tia entra no quarto e pede para minha mãe ter calma. E ela soube. Minha mente vagueia, penso coisas desconexas, mas segundos depois, percebi. Ele, meu tio, não havia suportado as dores da carne. Faleceu na madrugada de domingo para segunda, hoje, dia 9 de maio de 2011. Até então eu me sentia culpada por não sentir tanto, por não chorar, só lamentando muito pelos acontecimentos. Mas eu chorei. Meu coração doeu. Pensei no quanto eu era distante dele, no quanto minha familia estava triste hoje, e no quanto a vida é efêmera. Eu pedi a Deus para que ele estivesse bem agora. Dormi de novo, mas minha mãe me acordou com a frase: "como alguém consegue dormir com um morto?". Me senti pior. Comi alguma coisa e resolvi ir ver o corpo dele, que acabara de chegar a ser velado na casa dele, na qual ele vivia com sua esposa. Eram só os dois, sem filhos, só algumas galinhas e periquitos. E eu cheguei lá, com passos hesitantes. Lá estava ele no caixão, com o rosto mais sereno e mais natural possível. Não parecia morte, apenas um sono bom. Pessoas entrando e saindo, indo e vindo, e eu parada olhando pra ele. Eu chorei muito, e pensei em como as coisas são, na realidade de que uma hora ou outra, nossos entes queridos se vão, e nos deixam com a saudade, aquele aperto de mão que a gente deixou de dar, aquele acena de cabeça que não tira pedaço de ninguém... se foi. Ele se foi. E com ele levou o sofrimento daqui. 

Mas onde quer que ele esteja agora, nos vendo, ou passando por suas provações no outro plano, tudo ficará bem. Eu sei. Tudo estará bem. Agora sim