sábado, 31 de julho de 2010

O limite do conhecer


Quantas pessoas te conhecem? E quantas você conhece? Mas eu não falo da boca para fora, nem do que a garganta diz, mas verdadeiramente, falo do conhecer a pessoa real, e não a imagem virtual condensada na vivência cotidiana. Falo do que há, e não do estar; falo do ser, do existir. Para quantas pessoas você confia seus segredos ou qualquer assunto? A verdade é que existem, e existem pessoas e pessoas.

Há aquelas pessoas para quem você age como se realmente se mostrasse você, como se realmente essas soubessem você, e como se pudessem afirmar: ele(a) é. Mas toda pessoa tem segredos, e também há aquele tipo de segredo que de tão secreto vira tabu: intocado.
Você se conhece? Sabe bem do que é capaz? Você se sabe? Porque há um você que lhe escapa, que nem você apreende, ou aceita, ou entende, ou enxerga. Eu me vejo de um jeito e acho que me sei. Mas não me sei tanto quanto deveria...ou não deveríamos nos saber ao certo? Há coisas mesmo que nem para a pessoa mais confiável eu contaria...mas há alguém, e há pessoas: alguns dos segredos, alguns sabem, outros não; algum tabu alguém sabe, e juro, foi difícil contar. Mas não me sei. E adoro.

p.s.: Essa sou eu tentando claricear!

"Tenho estremecimentos indecisos, e sinto..."
A.A.