sábado, 15 de setembro de 2012

Para certo alguém.

Te conheci menos distante. Isso é um bom sinal, não é? Mas você sempre me responde com um silêncio, ou com o seu olhar que me derruba. Esse seu olhar tão distante (apenas aparência, porque você é só mistério!) derrubou mais muros do que você pode imaginar. Quisera eu poder te dizer tudo, dizer o que ainda é indizível para mim. Fico agora me perguntando se você, caso venha aqui e me leia, se você vai perceber que é de você que eu falo. Será que você sabe? E se souber, será que fica indiferente? Será que o teu coração não palpita como o meu agora, escrevendo? Será que vou ter de morrer com todas as dúvidas que você me deixou? Me pergunto também se, você entendendo que é de você que eu falo, você teria coragem de me dizer: "eu sei que era eu...eu sinto o mesmo..."