sábado, 12 de maio de 2012

Tanto, e tão pouco

Tanto pra falar, pra escrever... uma amiga vive dizendo que só consegue escrever quando está triste, porque é quando a introspecção fica mais intensa, quando sentimos mais necessidade de, pelo menos, criar a ilusão de que estamos sendo ouvidos. Talvez seja esse meu motivo, tristeza, ansiedade e vontade de desabafar rios e rios, e rios... mas eu penso que nada do que eu sinto se compara às preocupações e problemas alheios, ou qualquer outro, como a saúde dos meus familiares, por exemplo. Eu queria desabafar pra fora, e não de mim para mim, porque estou cansada de me escutar, sempre as mesmas coisas... Sei lá, às vezes certas coisas ficam tão claras para mim, tão claras, que elas me ofuscam a visão, e esta por sua vez turva, e já era. Já era, é essa frase que me persegue o tempo todo. Sou intensa, e estou em um daqueles momentos que é tudo ou nada. E agora, estou com o nada do meu lado, na minha frente, enfim, estou em nada. E acredite, eu sei que estou fazendo uma tempestade numa bacia cheia d'água, que tudo isso vai passar com uma noite dormida (bem dormida?), mas não, importa o agora, e o agora é turvo. Melancolia deveria ser meu segundo nome...